skip to Main Content

Diretor do Instituto Butantan diz que vacina contra Covid-19 deve entrar no calendário nacional.

A vacinação só terá efeito na redução das mortes por Covid-19 a partir de maio, segundo o diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas. O executivo participou de um evento no Centro Universitário Claretiano de Batatais (SP) no último sábado (9), onde alegou que a diminuição de óbitos e internações será progressiva.

Covas afirmou que a redução expressiva deverá começar apenas a partir de maio por conta do tipo de vacina que será utilizada na imunização. Assim como a vacina da gripe, o modelo proposto pelo Butantan não impede a infecção pelo vírus, mas sim sua gravidade.

“Quando você toma a vacina, acha que não vai ter gripe. De fato, ele [o paciente] não terá quadro grave da gripe, não ficará hospitalizado e não vai desenvolver pneumonia, mas vai ter sintoma. Esse é o efeito, ela impede a gravidade da doença”, disse Covas.

“É assim essa vacina que nós vamos introduzir. Ela vai impedir a gravidade da doença , mas não vai impedir a infecção. No longo prazo, à medida que os casos vão diminuindo, que as pessoas vão sendo imunizadas até naturalmente pelo próprio vírus, a epidemia vai diminuindo”, afirmou.

Covas também afirmou que, pela sazonalidade dos vírus respiratórios, a vacina contra a Covid-19 deverá entrar no calendário nacional. Sua expectativa é que, com o passar do tempo, imunizantes de apenas uma dose sejam desenvolvidos para reduzir custos de produção e logística.

“Nesse momento, a hipótese mais provável é que ele permaneça e tenha ocorrência sazonal. Se o vírus se mantiver, precisará ser incorporado ao calendário nacional de vacinação. Se serão uma ou duas doses, essas vacinas ainda estão na fase inicial de desenvolvimento”, disse Covas.

Back To Top